Imagen de la portada

Chaplin e a adaptação/apropriação de Em busca do ouro

Diogo Rossi Ambiel Facini

Resumen


Este texto realiza uma discussão sobre as duas versões do filme Em busca do ouro (The gold rush, Charles Chaplin): a de 1925, silenciosa, e a de 1942, com adição de música, sons, fala e uma nova montagem. A segunda versão do filme, abordada enquanto adaptação e apropriação, é pensada como um momento em que Chaplin apresenta uma reflexão sobre o seu cinema. Chaplin, na segunda versão de Em busca do ouro, parece enfatizar e reforçar alguns elementos importantes de seu cinema, principalmente a presença do seu personagem Carlitos. Esse reforço é resultado de alguns procedimentos da adaptação/apropriação, especialmente as narrações e comentários, realizados pelo cineasta, e as alterações na montagem. Destaco, neste texto, esses procedimentos.

Palavras-chave: Charles Chaplin, Em busca do ouro, adaptação, apropriação, reflexão.

Resumen: En este texto, se realiza una discusión acerca de las dos versiones de La quimera del oro (The gold rush, Charles Chaplin): la muda, de 1925, y la película de 1942, que tiene la adición de música, sonidos, palabras y un nuevo montaje. La segunda versión de la película, abordada como adaptación y apropiación, es pensada como un momento en el que Chaplin presenta una reflexión acerca de su cine. Chaplin, en la segunda versión de La quimera del oro, parece enfatizar y reforzar algunos elementos importantes de su cine, principalmente la presencia de su personaje Charlot. Este refuerzo es el resultado de algunos procedimientos de adaptación/apropiación, especialmente las narraciones y comentarios realizados por el cineasta, y los cambios en el montaje. En este texto destacamos estos procedimientos.

Palabras clave: Charles Chaplin, La quimera del oro, adaptación, apropiación, reflexión.

Abstract: This text compares the two versions of Chaplin's The gold rush, the silent 1925 one, and the remastered 1942 film, which includes new editing, as well as sounds, speech and music. This article examines Chaplin’s self-reflexive exercise and contends that the second version arises from adaptation and appropriation procedures. For instance, Chaplin emphasizes and reinforces certain elements, such as the presence of his character Charlie in the second version of The gold rush. Therefore, this article highlights the editing changes as well as the filmmaker’s added narration and comments, and contends that they result from adaptation/appropriation procedures.

Key words: Charles Chaplin, The gold rush, adaptation, appropriation, reflection.

 

Data de recepção: 15/11/2017

Data de aceitação: 27/03/2018


Texto completo:

PDF
Resumen - 182 PDF - 54

Enlaces de Referencia

  • Por el momento, no existen enlaces de referencia


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.